Grumixama – Essa planta é nossa

Você sabia que a cereja brasileira é oriunda de uma planta mais popularmente conhecida como grumixama, detentora de propriedades importantes para a saúde humana? O vídeo a seguir fala desse importante vegetal que é nativo na Ilha Grande e está acessível em Libras. Abaixo, texto completo do vídeo.

Sim, essa planta é nossa.

Eugenia brasiliensis da família Myrtaceae, conhecida popularmente como grumixama, é uma espécie nativa da Ilha Grande e se desenvolve tanto em restingas quanto em matas mais úmidas. Todavia, está cada vez mais raro encontrar lá naturalmente nesse remanescente florestal.

Embora o seu nome popular mais conhecido seja grumixama, em algumas regiões pode ser denominada também grumixaba, cumbixaba, ibaporoti, e em inglês, seu nome popular, Brazilian cherry, quer dizer cereja brasileira.

Suas árvores apresentam excepcional valor paisagístico e podem atingir até 15 metros de altura.

Suas flores são brancas e de grande beleza.

Seus frutos possuem aproximadamente 2 cm e meio, sua coloração varia entre o amarelo vermelho e negro e apresentam de uma a duas sementes.

Esses frutos são comestíveis e agradáveis e estão ganhando espaço na culinária de restaurantes refinados. São também utilizados para a produção de geleias, tortas e licores.

Além do consumo humano, os frutos atraem a avifauna.

Por isso, seu plantio é recomendável em jardins e em projetos paisagísticos e de reflorestamento destinados a recomposição de áreas degradadas.

Adicionalmente, as cascas, folhas e frutos de Eugenia brasiliensis são utilizados como diurético e contra distúrbios gastrointestinais e reumatismo.

Entretanto, as pesquisas mais recentes indicam que além desses aspectos, os extratos produzidos a partir das folhas de grumixama possuem atividade antibacteriana e antiinflamatório.

Assista ao nosso próximo vídeo! Vamos falar da azaléia, uma espécie exótica cultivada em praças e jardins da Ilha Grande.

Eu sou Cátia Callado e esta é uma iniciativa do Parque Botânico, com núcleo do Ecomuseu Ilha Grande, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, que visa o controle de espécies exóticas e a conservação da flora nativa da Ilha Grande.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *