Coronavírus e a vacina produzida pela Pfizer – Jornal Nacional

Uma notícia boa diante de tantas ruins que recebemos todos os dias. Como não renovar os ânimos e esperanças ao assistir um conteúdo tão comovente? Matéria do Jornal Nacional sobre o coronavírus e a vacina produzida pela Pfizer / BioNTech.

Vídeo traduzido para a língua de sinais. Abaixo, texto em português para pessoas com deficiência auditiva que não aprenderam Libras:

Essa vacina aprovada no Reino Unido usa uma técnica revolucionária. O centro de design da Globo preparou uma animação que explica porquê.

O coronavírus freou o planeta por causa da capacidade imensa de disseminação e da agressividade extrema dentro do nosso corpo.

O coronavírus usa os espigões para se encaixar perfeitamente ao receptor de uma célula. O mecanismo funciona como se fosse uma chave que abre uma fechadura e rompe a parede da célula; ali dentro ele se multiplica com muita rapidez sugando a energia da célula. Milhares de novos vírus partem para o ataque para destruir outras células.

Na verdade o nosso corpo está em permanente prontidão contra milhares de invasões que nós sofremos a toda hora e o nosso sistema imunológico composto pelas células linfáticas começa a reação assim que é atacado.

Os macrófagos atacam os invasores e disparam sinais de alarme para outras células de defesa.

Muitas vezes essa barreira inicial não é suficiente para conter um intruso.

Aí, entra em ação uma parte do nosso sistema imunológico focada em identificar precisamente cada invasor e atacá-lo.

Células dendríticas começam o trabalho. São como especialistas em inteligência. Ela coletam pedaços do invasor resultante daquela batalha inicial e levam esses pedaços para os linfócitos que são responsáveis pela comunicação no sistema imunológico. Os linfócitos T ativam linfócitos B e os ensinam a fabricar os anticorpos.

Finalmente está pronta a arma molecular capaz de derrotar o vilão que assola nosso corpo.

Acontece que todo esse processo pode demorar muito tempo e quando o anticorpo finalmente estiver pronto a doença já pode ter avançado muito se tornando irreversível.

Por isso é que a vacina é fundamental. Ela vai despertar o nosso sistema imunológico e antecipar o processo de produção dos anticorpos.

Desde o início da pandemia mais de 100 grupos de cientistas do mundo inteiro se empenham na busca da vacina.

A vacina produzida pela Pfizer / BioNTech usa a tecnologia chamada de RNA mensageiro que diferente das tradicionais, nesse caso, a vacina leva para o nosso organismo uma cópia de parte do código genético do vírus. É uma espécie de mensagem, uma receita para que o nosso corpo produza uma proteína do vírus. A presença dessa proteína desencadeia a produção de anticorpos. Ganha-se um tempo que pode ser decisivo nessa luta de vida e morte.

Se a pessoa vacinada for infectada, há um exército de anticorpos prontos para neutralizar o Corona impedindo a sua multiplicação. Somente a vacina poderá nos devolver a sensação de que a vida que conhecíamos está recuperada e será a volta em fim dos abraços!

2 comentários em “Coronavírus e a vacina produzida pela Pfizer – Jornal Nacional”

  1. Olá, comecei a estudar sobre Libras como matéria da faculdade e acabei descobrindo essa língua que conhecia tão pouco. Parabéns pelo teu trabalho e dedicação. Aproveitando a mensagem, desejo saber como aprender Libras, se existe algum app, no estilo do Duolingo, ou curso EAD.
    Grato

    1. Olá João, fico feliz que tenha começado a estudar Libras e agradeço pelos elogios. Desculpe-me a demora em responder, eu achei que o site não estivesse movimentado, não estava vendo os relatórios e me surpreendi quando os analisei e vi os números de acesso. Eu realmente não conheço o Duolingo, mas acessei o site e vou analisar com calma, já anotei o mesmo. A minha intenção é mais pra frente estar aprimorando este curso. Queria a princípio avaliar a aceitação dele pelas pessoas antes de fazer um investimento maior. Eu vou pesquisar tanto sobre apps e cursos EAD pra te dar uma resposta melhor nesse sentido. Muito obrigado pelo seu feedback.

Deixe uma resposta para João Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *